quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Somos o resultado da luta entre a morte e a vida e, se você levanta no outro dia, vivo, é que um lado está ganhando. Por enquanto.

Talvez, ser o que eu considero uma boa pessoa não baste.

Há alguma lição aí que não estou conseguindo aprender. Sou o aluno repetente da turma.

Não adianta tentar matar a pessoa amada que ainda vive em você. Ela é um fantasma. Não se consegue matar o que já está morto. Ela deve ir se apagando aos poucos. É preciso deixá-la morrer sozinha.

Eu sou o único responsável pelo que sinto, pelo que escolho sentir e pelo que me permito sentir.

Não posso cobrar de outras pessoas, com problemas já suficientes, como cada um de nós, que resolvam essas questões para mim.

-Alessandro Martins