terça-feira, 30 de julho de 2013

A você, que em toda manhã regressa de seu mais fundo e ninguém repara o seu esforço para subir à superfície.
Fabrício Carpinejar